<< Os especialistas opinam

Jaqueline Moll

Professora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Nada mais atual e urgente que repensar nosso modo de viver as cidades e nas cidades, diante dos brutais desafios da democracia contemporânea e das profundas desigualdades que ainda assolam o planeta.

Partindo da premissa de que TOD@S tem o direito de viver com dignidade, a ação política no cotidiano de nossas cidades exige esforços coletivos do poder público e dos atores sociais.

Ações organizadas desde os parlamentos, as instituições educativas, o aparato judicial, as associações comunitárias e de vizinhança, os grupos temáticos nas mais diferentes áreas, no sentido de reconstruir permanentemente os valores da justiça, da solidariedade, da compaixão.

Estamos sedentos disso.

O aprendizado pessoal e coletivo dos cuidados com nossa casa comum – o planeta, com tod@s seres que nela vivem e com cada um, cada uma, é um processo que extrapola as salas-de aula, convencionadas pela modernidade como “o” lugar de aprender e ensinar, e expande-se para todos os cantos em que a vida acontece.

Esse aprendizado depende sempre de intencionalidade humana, construída no diálogo que permite ver o mundo como um lugar de viver e conviver, de desfrutar  e de crescer, apesar das muitas armadilhas que apresentam o consumo como chave da vida contemporânea.

Qualificar a vida, produzir felicidade e dignidade, acolher as crianças e jovens como parte insubstituível da civilização, difundir valores democráticos e de justiça social constituem, portanto, o sentido pedagógico e político profundo dos esforços que possibilitam a reinvenção de nossas cidades como cidades educadoras.

Em meu país, combalido e dilacerado, por disputas fratricidas que desprezam os valores mais estruturais da civilização humana, como o respeito as diversidades e o enfrentamento das desigualdades, o debate das cidades educadoras, tem um significado especial.

E esse significado tem a ver com manter viva a esperança de que a vida em coletividade não seja só reprodução de miséria e injustiças, de preponderância da lei do mais forte, mas seja espaço de realização de todos e de cada um, tendo como horizonte a ideia de um mundo onde todos caibam.

Sigue o nosso Twitter

"Everyone has the right freely to participate in the cultural life of the community, to enjoy the arts, to share in scientific advancement and its benefits".

One week left before the #2020RomeCharter Conference (1-3 Oct 2020)!!

Register before 28 Sept: https://t.co/1d82SqpEG6

➡️Repensant i actualitzant la #CartadeCiutatsEducadores amb @yayo_herrero i #joanManelDelPozo, elaboració Coparticipada amb diferents agents i ciutats l’#AICE 👉🏽recollirà Reptes del S.XXI, un horitzó q recull principis d’#equitat #inclusió #sostenibilitat #corresponsabilitat

En el marco del #DíaInternacionalDeLaPaz, te invitamos a conocer más sobre el 3er Foro Mundial Ciudades y Territorios de Paz, Ciudad de México 2020-2021 en nuestro nuevo sitio web: https://t.co/DZy4LBa6Zz #CiudadesDePaz 🏙🕊🌎

  • AICE
  • Associação Internacional de Cidades Educadoras
  • Avinyó 15, 4ª planta, 08002 Barcelona.
  • Tel +34 933 427 720
  • edcities@bcn.cat
  • Ver mapa